DRUNKOREXIA!? O que a psicologia pode nos ensinar sobre esse transtorno!

Já abordamos aqui no site o problema dos Transtornos Alimentares, mas vale a pena salientar um transtorno que é bem parecido com a Anorexia. O que vai diferenciar esses dois transtornos será a motivação.

Na Anorexia o dilema enfrentado é a obsessão por emagrecer, enquanto que na Drunkorexia, percebemos também uma relação com o corpo, mas o foco principal é o prazer que o álcool proporciona.

Hoje em dia está se tornando comum, várias jovens com garrafas de bebidas na mão, fazendo o uso da mesma e achando que isso demonstra liberdade. Existindo uma preocupação em passar uma imagem de independência.

Devido a essa “epidemia” entre os jovens um novo transtorno vem surgindo à tona, a Drunkorexia. Mas o que seria a Drunkorexia?

DRUNK = Embriagada, Bêbado (inglês), e ANOREXIA = Transtorno Alimentar

Ou seja, para ser socialmente aceito, os jovens estão se utilizando de bebidas alcoólicas. Só que aqueles que sofrem de Drunkorexia, costumam beber antes de comer para relaxar ou fazem para baixar a ansiedade de terem tido a “ousadia” de ter comido alguma coisa. Enquanto outros bebem para despistar a fome.

No caso o álcool se torna substituto alimentar “para não engordar, eu bebo”.

O fato é que as bebidas alcoólicas funcionam como uma anestesia para as emoções ruins, principalmente em relação às frustrações com o próprio corpo. Não é qualquer bebida utilizada nesse transtorno, geralmente elas dão preferência aos destilados como vinho, vodca, uísque, etc., pois a cerveja causa a famosa barriguinha e é justamente o oposto que estão procurando.

As principais causas da busca por bebidas são os fatores biopsicossociais. Ou seja, a compulsão pela bebida é o ponto de ligação entre os distúrbios alimentares, nos quais um dos alicerces que reforçam esse problema é a imagem distorcida do corpo, para tentar se enquadrar nos padrões impostos pela sociedade.

Os efeitos que o álcool causa no organismo, dão a falsa sensação de prazer e é isso que estimula os jovens a continuarem buscando essa sensação. Alguns efeitos proporcionados pelo álcool que atraem bastante aos jovens:

  • Sensação de perda de apetite e saciedade;
  • Faz com que a pessoa durma, ao invés de comer;
  • Diminui a ansiedade e dá a sensação de relaxamento;
  • Falsa ideia de diminuir os problemas e as emoções negativas;
  • Ilusão de liberdade e independência.

Estudos do Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa) indicam que os anoréxicos estariam mais propensos à dependência de álcool, principalmente as mulheres. No caso da drunkorexia, o uso de substâncias como cocaína, crack e anfetaminas também são comuns, pois ajudam a suprir a sensação de fome.

De acordo com o Programa da Mulher Dependente Química (Promud/IPq), 56% das usuárias de álcool ou de drogas que estavam em tratamento tinham algum tipo de transtorno alimentar. Desse percentual, 41% tinham transtorno do comer de modo compulsivo; 30%, bulimia; e 8% eram anoréxicas.

Felizmente essa doença é de fácil descoberta, afinal, a exposição é muito maior, em função da embriaguez que o álcool provoca.

Geralmente o perfil das pessoas que esse transtorno acomete, são mulheres de 25 a 35 anos de idade, que não tinham problemas de peso antes, mas querem se sentir independentes.

O tratamento deve ser feito o mais rápido possível, pois a pessoa vai obtendo a falsa sensação de prazer com a bebida e vai se afundando cada vez mais. O tratamento feito é multidisciplinar, com o acompanhamento de psicólogos, psiquiatras, médicos e nutricionistas.

É provável que a pessoa resista a isso, por não se sentir doente, mas a conversa e a intervenção nesses casos são fundamentais, para salvar a vida da pessoa.

Transtornos Alimentares: Excessos que levam a Morte

Estamos vivenciando uma época em que ser magro é ter padrão de beleza elevado, mas será que isso é verdade?

Você já pensou nos malefícios que a busca excessiva pelo padrão ideal de beleza pode causar?

Milhares de pessoas em sua maioria mulheres e jovens, procuram obter este padrão, ingerindo descontroladamente anfetaminas, não se alimentando e até mesmo induzindo o vômito.

Estamos falando da anorexia e a bulimia, as grandes vilãs de nosso século, principais causadoras de morte de mulheres jovens em todo o mundo, de acordo com a organização mundial de saúde.

Estas são doenças “traiçoeiras” que aparecem de repente e colocam em risco suas vidas, pelo temor obsessivo de engordar.

Podemos citar um exemplo que ganhou grande destaque na mídia, aconteceu na china.

“Uma estudante de 15 anos com 1,65 m pesando 54 kg achou que estava acima de seu peso ideal e iniciou uma dieta que infelizmente acabou levando à morte, pesando menos de 30 kg.”

Hoje em dia isso se tornou muito comum, principalmente entre os jovens, com maior incidência entre as mulheres.

Vejamos agora, algumas características de transtornos alimentares e suas diferenças.

Anorexia Nervosa

Sintomas

  • Alteração da imagem corporal;
  • Perda de peso em até 15%;
  • Amenorreia (falta de menstruação);
  • Medo intenso de ganhar peso;
  • Atinge 0,5 a 1% da população geral;
  • Raro aparecer em homens;
  • Tem seu início na adolescência entre 14 e 18 anos;
  • No início apresenta apetite;
  • Para compensar a fome, toma água em excesso;
  • Índice de mortalidade é de 10%.

A anoréxica tem alexitimia, ou seja, dificuldade em perceber seus estados e sentimentos, ela percebe o não se alimentar como um desafio e quando consegue se manter por dias ou até semanas sem ingerir alimentos, vê isso como uma vitória.

Geralmente as famílias só conseguem perceber quando a situação já é de emergência e o caso já se tornou crônico, pois essa é uma doença de difícil diagnóstico.

Frequentemente as adolescentes com anorexia agem da seguinte maneira:

  • Possuem uma péssima relação com a mãe;
  • Contam mentiras frequentemente;
  • Não se percebem como doentes;
  • Possuem toc – pensamento obsessivo sobre o corpo;
  • Fazem exercícios físicos em excesso.

A princípio come-se de forma insuficiente e aos poucos vai diminuindo as quantidades até se acostumar à falta de alimentação e o organismo vai diminuindo a emissão de sinais da carência alimentar.

Dessa forma a pessoa vai diminuindo a intensidade da fome, causando uma falsa impressão de que não necessita comer, se degenerando. Agravando a distorção da sua autopercepção de imagem corporal, julgando que precisa emagrecer mais um pouco.

Bulimia Nervosa

A bulimia é conhecida como a “fome de um boi”, onde a pessoa se empanturra de alimentos, mas sua obsessão por querer um corpo magro acaba provocando vômitos, ou recorrendo a laxantes e diuréticos, amenizando assim sua culpa por te exagerado na alimentação ou perdido o controle.

O comportamento da bulímica é compensatório e inadequado, prevenindo o aumento de peso fazendo uso de laxantes e indução de vômitos, ocorrendo isso pelo menos 2 vezes por semana durante 3 meses.
Assim como ocorre na anoréxica a bulímica tem uma autoavaliação do corpo destorcida, iniciando sempre o caso de bulimia depois de uma dieta.

Seu início ocorre sempre no final da adolescência e 90% dos casos são mulheres, pois se envergonha de seus problemas alimentares e procuram ocultar os sintomas.

Geralmente possuem um histórico familiar de abuso de medicamentos para emagrecer.

Apresentam escoriações nas mãos de tanto induzir o vômito.

Anorexia x Bulimia

Podemos observar algumas diferenças entre bulímicas e anoréxicas, o que pode dificultar ainda mais a percepção dessa doença.

  • As bulímicas costumam ter um aspecto mais saudável, porém ocorre grave risco de ter uma parada cardíaca devido o desequilíbrio eletrolítico;
  • Já as anoréxicas costumam apresentar arritmia cardíaca, que foi originada pela desnutrição;
  • As bulímicas são pessoas sexualmente ativas e às vezes até promíscuas;
  • Enquanto que as anoréxicas tende a ser sexualmente inativa e sem desejo sexual;
  • Nas bulímicas a menstruação costuma ser irregular ou ausente;
  • Nas anoréxicas há amenorreia (falta de menstruação);
  • As bulímicas em alguns momentos apresentam transtornos de conduta (furtos, manipulação de pessoas, abuso de álcool ou drogas e gestos auto – mutiladores);
  • As anoréxicas costumam ter antecedentes exemplares até a instalação da doença.

Mesmo com as diferenças, podemos perceber que em ambos os casos é necessário um tratamento, pois se não forem devidamente tratada essas doenças podem levar ao óbito.

Sem dúvida, podemos dizer que a sociedade moderna com seus costumes, manias, tendências e ilusões estão matando e desonrando o ser humano.

Cabendo aos pais prestarem mais atenção em suas filhas, para que não se tornem obcecadas pelo corpo artificial.

Tratamento

Em ambos os casos uma intervenção psicológica é necessária e deve ajudar no entendimento dos seus aspectos dinâmicos assim como também orientar em questões práticas. Procurar sempre fazer as refeições acompanhadas de outras pessoas, não guardar muitos alimentos pela casa, planejar seus horários, tanto de refeição quanto de exercícios físicos. Não permitir que a pessoa anoréxica faça exercícios em demasia e procurar se pesar somente na consulta ao médico.

O psicólogo é o profissional melhor capacitado para prever tendências suicidas que podem ocorrer quando a doença já está em estágio avançado e a garota se olha no espelho e enxerga sua imagem distorcida, pois é muito importante trabalhar com o paciente a questão da autoimagem durante todo o processo de recuperação, prevenindo o desenvolvimento de qualquer ideia suicida.

É importante também um acompanhamento com o nutricionista para elaborar uma dieta balanceada, aonde a pessoa não vá se sentir ganhando peso. E sempre consultar um médico, pois nesses casos é necessária também à inclusão de medicamentos.
Em algumas situações é necessária a internação, quando associado á anorexia e bulimia encontra-se depressão com risco de suicídio, arritmia cardíaca, e casos de comportamentos impulsivos tais como: abuso de álcool, drogas, automutilação, cleptomania e promiscuidade sexual.

Portanto é sempre importante estar atento às atitudes de seus filhos e qualquer atitude diferente ou perda de peso rápida, irritação, amenorreia, procure um especialista. E se precisar de auxílio entre em contato pelo e-mail ruth@clickpsi.com ou marque uma consulta através do nosso pré-agendamento clicando aqui.

Referências bibliográficas: Dra. Ana Curatolo – Psiquiatra – Aula sobre transtornos alimentares.