O Suicídio e seus Mitos

O suicídio é cercado de muitas perguntas, mitos e verdades. Diante disso resolvemos citar alguns mitos sobre o suicídio.

  1. Quem quer se matar não avisa. MITO
    O fato é que pessoas que pensam no suicídio, normalmente, comunicam direta ou indiretamente que querem morrer. São dicas muitas vezes sutis, pedidos de socorro que fica nas entrelinhas dos discursos ou atitudes.

  2. Perguntar sobre suicídio pode induzir a pessoa a isso. MITO
    Conversar com a pessoa, não a induzirá ao suicídio, desde que a conversa seja de forma acolhedora e sensata, sem julgamentos ou pré-conceitos.

  3. Devo dizer que tudo vai ficar bem. MITO
    Na realidade, pessoas com ideias suicidas, precisam de um acompanhamento profissional, seja ele de um psicólogo ou psiquiatra, ou muitas vezes em conjunto. Pois a ameaça suicida precisa ser levada a sério.
  4. Só pessoas com distúrbios emocionais cometem suicídio. MITO
    O que leva a pessoa a ter ideias suicidas são inúmeros fatores, não necessariamente um distúrbio emocional. As pessoas que possuem um distúrbio emocional encontram-se no grupo de risco, mas isso não significa que todos que possuem distúrbios emocionais, têm ideias suicidas. Quando a pessoa apresenta esse tipo de pensamento, é porque se encontra em um estado de sofrimento profundo, buscando uma saída para essa dor.

  5. Quando a pessoa fala que não tem mais razão para viver, devo mostrar que tem outras pessoas que sofrem mais que ela. MITO
    O que devemos fazer no primeiro momento é tentar ouvir e acolher a pessoa, demonstrando respeito pelo sofrimento dela, pois fazer comparações muitas vezes não vai ajudar e pode até causar mais angústia. O ouvir sem críticas e julgamento é a melhor coisa a se fazer e se possível encaminhá-la para uma ajuda profissional.

Sendo assim concluímos que, a ameaça de suicídio deve sempre ser levada a sério, pois a pessoa que pensa de maneira drástica e vê a morte como o único recurso está em extremo sofrimento e precisa de ajuda.

Referências: Neris, Angélica –  Psicologia do Brasil.