O Espelho

Você já parou para pensar no que é o espelho? O que ele reflete revela-nos informações sagradas sobre nós mesmos. Infelizmente às vezes o que vemos refletido no espelho não nos agrada, outras nos agradam tanto que queremos olhar várias vezes.

Agora trazendo o espelho para o nosso lado psicológico, podemos afirmar que o exterior atua como um espelho da nossa mente.

Como assim? É no espelho que vemos refletido várias características da nossa própria essência.

Se pararmos para pensar, iremos perceber que isso que nos incomoda tanto no outro, está ligado a uma característica negativa nossa e que ao ver no outro, identificamos e isso nos incomoda. Isso se chama Lei do Espelho.

Esta lei estabelece que de algum modo esse aspecto que nos causa desgosto em determinada pessoa existe também em nosso interior.
Difícil de aceitar.

A lei do espelho se reflete quando afirmamos conhecer muito bem outras pessoas e, na verdade, o que fazemos é projetar sobre elas nossa própria realidade. Quando ocorre essa situação estamos colocando nossa visão projetada de nós mesmos sobre a imagem física da outra pessoa que é captada por nossos sentidos.

Refletimos no outro aquilo que não lhes pertence, pois é apenas um reflexo da nossa própria identidade, a qual nos incomoda, os lados obscuros que gostaríamos de mudar e talvez sejam tão difíceis, que sequer conseguimos enxerga-los.

Devemos ficar cientes que não só nós refletimos nos outros, como os outros também refletem em nós qualidades e defeitos. Por conta disso, surgem os mal-entendidos, pois o espelho duplica e reivindica de ambos os lados às qualidades e os defeitos das pessoas.

Uma vez compreendida esta lei, podemos usá-la em nosso favor, observando, além dos defeitos que nos incomodam para corrigi-los, também as qualidades dos outros que possuímos em nós. Assim, neste balanço, podemos descobrir quais são os nossos pontos fortes e fracos para atenuá-los ou aumenta-los.

Sempre recordando a premissa que “observar diz mais sobre o observador do que sobre o que está sendo observado”.

Fonte: A mente é Maravilhosa
Segredos para ser Feliz

Mães Tóxicas

É difícil pensarmos em nossas mães com algumas características ruins, pois na maioria das vezes acreditamos que elas são seres puros, longe de qualquer maldade. Mas a realidade às vezes nos constrange e descobrimos que muitas mães são tóxicas para seus filhos.

E o que seria uma mãe tóxica?

Uma mãe tóxica é uma mãe controladora; usa as comparações e a humilhação pública como método de controle, pois ela também passou por isso. Quando uma mãe tem mais filhos, dependendo da posição ocupada por ela, poderá se identificar com alguns deles, dirigindo suas preferências a ela e menosprezando os outros.

Quando a comparação aparece, não há arma mais injusta e destrutiva que esta, para atacar os filhos.
Uma mãe controladora, não consegue respeitar os limites. Para elas o controle é sinônimo de segurança, algo que faz com que se sintam muito bem.

Outra característica de uma mãe tóxica é a manipulação. Mães que se fazem de vítimas, ou se utilizam de doenças que até tenham, para fazer com que os filhos se sintam culpados e façam suas vontades.

Geralmente essas mães controladoras e manipuladoras, costumam tratar seus filhos, já adultos, como crianças, escolhendo suas roupas, até a forma como o filho deve falar. Essa manipulação se torna mais evidente, quando o filho resolve constituir uma família para si. Aí é onde a manipulação se torna realmente um problema. Pois qualquer escolha do filho será desaprovada por esta mãe.

Às vezes essas mães, possuem uma nítida falta de autoestima e autossuficiência, que veem seus filhos como sua salvação, para isso moldam os filhos à sua maneira.

Projetam em seus filhos, seus próprios sonhos não realizados. Costumam falar muito essa frase: “Quero que você tenha o que eu não tive”. Sem se quer se perguntar se é isso mesmo que o filho deseja. Pensam que assim estão mostrando um amor incondicional, quando na realidade, demonstram um falso amor.

Mas por que algumas mães se tornam tóxicas?

Uma das explicações é que essas mães tenham sido maltratadas na infância e quando crescem tendem a reproduzir esse mesmo comportamento com os filhos. Mesmo que esse comportamento seja inconsciente. Mas elas não agem assim somente por que sofreram na infância e sim muitas vezes por trás desse comportamento se esconde o medo do abandono e da solidão.

No caso dos filhos únicos, ou com alguma doença ou condição de deficiência, a situação se transforma numa eterna chantagem… É um disse me disse de “deixei tudo por você”…, “me sacrifiquei para te criar”, etc…

O problema maior de uma mãe tóxica, é que elas agem acreditando que estão fazendo o bem para o filho. E essa atitude, prejudica no desenvolvimento da criança, pois uma mãe muito protetora não permite que a criança se torne independente e assim não consegue aprender com seus erros.

Como lidar com uma mãe tóxica?

A primeira coisa a ser feita é identificar a toxicidade e quebrar o ciclo. Não é fácil, mas deve se impor nas suas vontades, não permitindo que seja controlado por ela. Ás vezes dizer a verdade pode parecer prejudicial, mas é essencial.
Tente evitar a “vitimização” dela, que às vezes de tão sutil não conseguimos perceber. Elas se mostram como as mais sofredoras, as mais feridas, quando na realidade, o mais ferido é você. Sempre mantenha isso em mente.
Procure sempre um profissional, para auxiliá-lo nesse processo de afastamento. Criando assim uma individualização, cortando o cordão umbilical.

Fonte: A mente é Maravilhosa.